Publicado em Poematizese

Quando as coisas não dão certo: é culpa minha ou dos outros?

Havia um tempo em que eu me sentia vítima do mundo. Nasci na hora errada, no lugar errado, com a família errada. Eu fantasiava. Sonhava que minha vida era um pesadelo e hora ou outra eu iria acordar em outro lugar.

Nos meus melhores sonhos a casa era grande, o quintal parecia um campo infinito, as montanhas eram campos de golfe, onde golfe, nem existia. Flores estavam perto das portas, o jardim era um enfeite da natureza e as árvores ficavam distantes da casa, mas próximas da estrada.

A casa não era tão moderna, dentro dela havia modernidades o suficiente para me conectar com o mundo lá fora. As prateleiras com os livros estavam cheia de histórias e vidas, que passei tardes inteiras descobrindo, como quem encontra um tesouro e o examina milhões de vezes para ter certeza de que é real.

Eram apenas sonhos que misturavam as histórias da minha avó com o que eu via na televisão, eu acho. Nunca tive muita certeza se meus sonhos eram meus, ou partes de sonhos de outras pessoas.

Eu precisava me manter acordada. Os sonhos não anulavam o peso da realidade sobre minhas costas, eu, pobre vítima na realidade errada. Parei de pensar assim quando conquistei as primeiras coisas. Percebi então que se eu saísse do vício de sentir-me vitima, a vítima sairia de mim.

Quando você entra nessa frequência de crer que tudo é possível se você tentar, existe uma revolta dentro de você que vai aumentando a cada dia. Na minha cabeça as pessoas não estavam se esforçando o suficiente.

Não conseguia entender como eu podia conseguir as coisas que lutava por e elas não. Isso gerou em mim um instinto violento de ser rude com quem eu achava ser fraco, preguiçoso ou medíocre.

Acho que todos nós fomos mais jovens do que somos hoje em dia. Cometemos erros e inconsequências. E se a vida não for pra errar e aprender, pra quê serve, então?

A ordem de “tudo quero, tudo consigo” me fez lutar muito e implacavelmente por coisas que eu queria e acreditava. Fez-me ter sucesso em muitas coisas, me tornar intolerante em outras, e, com certeza me fez sentir que eu precisava de coisas que não eram necessárias.

Eu achava mesmo que eram necessárias a ponto de me deixarem doente e neurótica caso eu não as conseguisse. Foi nesse instante que descobri que existem muitas coisas que não estão sob meu controle. Cheguei a um ponto em que eu deixava tudo ir ou ficaria realmente extremista sobre as coisas do mundo, da vida.

Decidi que precisava ser mais desapegada. Quando tudo que eu planejei não deu certo, quando meus sonhos estavam baseados no que os outros queriam, quando eu não conseguia dinheiro suficiente, quando o emprego me deixava infeliz, quando a rua não melhorava, quando a cidade não melhorava, quando meu interior só piorava porque eu realmente entrei na sina de que era preciso ter para ser alguma coisa, eu parei.

Olhei ao redor e me perguntei por que eu precisava ser o que esperavam de mim. Por que eu precisava das coisas que estavam me deixando doente. Por que eu precisava consumir aquelas coisas inúteis. Por que eu estava tão violenta e indignada se as pessoas não conseguissem as coisas que eu pensava que elas deviam ter.

Você acha que eu preciso disso. Eu acho que você precisa daquilo. Assim, vamos nos ferindo a ponto de estarmos sangrando, perdidos e não sabermos porque começamos essa guerra e nem pelo que estamos lutando. Torna-se um ciclo sem fim.

Certo dia percebi que as coisas não dependiam só da minha luta. Nem do meu esforço, nem das minhas ambições. Muitas coisas dependem dos outros. Outros que talvez não se importem, outros que talvez estejam ocupados de mais com suas necessidades.

Eu parei de me colocar metas absurdas, porque percebi que muitas delas eu não conseguia vencer.

Eu demorei um tempo para perceber como isso e porque isso acontecia. Eu continuo acreditando que o meu esforço e luta me leva a qualquer lugar. Porém, existe um fator que por muito tempo ignorei e que provavelmente todas as pessoas que acreditam nessa ideia também ignoram: o outro.

Eu, você e qualquer pessoa têm uma força interna igualmente poderosa. O rico, o pobre, a mulher, o homem, o adulto, a criança. Todos temos a mesma força poderosa dentro de nós. Uns chamam de entusiasmo, outros de fé, outros de energia e tantos outros nomes. Não importa. Todos temos essa mesma força poderosa dentro de nós.

Perceber esse detalhe me fez crer em outra coisa: a intervenção. Quando você percebe que a intervenção existe, você tira um pouco o peso de seus ombros. Isso porque você sabe que a responsabilidade sobre determinada coisa não é só sua.

Estamos cercados de pessoas. Essas pessoas tem a mesma força que nós. Eu posso direcionar minha força interna para aquilo que estou lutando e desejando, mas eu nunca vou saber para onde a pessoa que está ao meu lado está direcionando a força dela.

O que isso significa? A energia da pessoa pode intervir na minha energia: houve uma intervenção sem eu nem ficar sabendo.

Um exemplo: estou juntando dinheiro arduamente durante todo o ano para comprar um carro. Perto do dia de comprar eu comento com a minha mãe. Minha mãe começa a pensar nos acidentes de carro que eu posso sofrer, e, começa a desejar que eu não tenha um carro. De repente, dá uma chuva e a árvore da rua cai no meu muro. Eu sou obrigada a usar o dinheiro do carro para essa emergência. Fico sem carro.

A mente da minha atraiu o que pensou: um acidente me envolvendo, eu não adquirindo um carro. Minha mente atraiu o que eu desejei: o dinheiro suficiente para comprar o carro. Que acabou sendo gasto no acidente.

Talvez pareça absurdamente sem nexo, mas para quem acredita em lei da atração como eu, sabe que isso é perfeitamente possível. Por essa razão, eu deixei de me martirizar sobre o que eu não consigo realizar.

Além disso, também percebi que todas as pessoas estão nessa mesma situação. Isso me fez ser mais tolerante e tentar ver pela perspectiva de outras pessoas. Infelizmente, muitas pessoas não têm boas referências para se apegar, tem sonhos fantasiados como os que tive na minha infância, ou talvez elas acreditem que mereçam viver onde estão e que nada nunca irá mudar porque todos ao redor dela pensam assim.

E não é só o pensamento. É a realidade.

Quantas vezes vemos realidades horríveis e violentas que nem conseguimos imaginar em nossos piores pesadelos serem cotidiano de outras pessoas? Imagine o que elas pensam e fazem nessas circunstâncias. O que as pessoas que se beneficiam com isso pensam e fazem. É muito difícil se dar conta de que se pode mudar, quando ninguém ao seu redor consegue enxergar isso.

É por isso que devemos sempre buscar pessoas que nos estimulem a evoluir. Se atraímos semelhantes? Não sei. Eu sei que quanto mais juntos ficamos, mas semelhantes nos tornamos.

Quando você deseja alguma coisa na sua vida, uma meta, um sonho ou qualquer coisa, você precisa refletir sobre aquilo e ter certeza de que é um desejo seu e não de outra pessoa que colocou na sua cabeça ou te estimulou negativamente a querer aquilo.

Depois, você precisa se juntar com o máximo de pessoas possíveis que tenham isso em comum com você. Participar de coisas que tenham a ver com isso, até estar tão presente na sua realidade, que começa a se tornar realidade.

Muitas vezes, excluímos nossas responsabilidades sobre os nossos atos, mas quem se aproxima das pessoas e das coisas que talvez não queiramos na vida, somos nós. Muitas vezes, colocamos a responsabilidade sobre os outros de coisas que foram ruins para nós, mas quem se aproximou desse outro fomos nós.

O aproximar-se é sua responsabilidade. O vínculo é sua responsabilidade. Mas todos nós podemos nos enganar, todos os dias. O pensamento do outro é responsabilidade dele. A interferência do outro é responsabilidade dele. Mas todos os outros podem sem enganar, todos os dias.

Existem sim coisas que não estão sob nosso controle. Existem pessoas que fazem interferências negativas na nossa vida sem intenção, outras com intenção. Existem pessoas que fazem interferências positivas na nossa vida sem intenção, outras com intenção.

Isso se dá principalmente porque é muito difícil conhecer a si mesmo. Lembra quando falei que sonhei coisas que não eram sonhos meus? Um dia eu percebi. Tem gente que passa a vida inteira sem perceber.

As intervenções podem ser sem querer, podem ser por querer. Seus sonhos podem ser alcançados sim, pelo seu esforço sim, mas você deve se atentar que existe a interferência do outro. Como lidar com isso? Tem duas frases que provavelmente todos conhecem que ajudam a ter uma ideia:

– Aquilo que ninguém sabe, ninguém estraga.

– Quem se junta aos porcos, farelo come.

Você decide o que faz, pode tentar prever as consequências,  mas é complicado ter certeza de quais serão elas.

Autor:

Metamorfose ambulante, ♥

Um comentário em “Quando as coisas não dão certo: é culpa minha ou dos outros?

Comente sua opinião aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s