Publicado em Poematizese

escrever, o “milagre”.

Eu estava ouvindo música àquele dia no quarto. Na cama, em cima do edredom, eu balançava o pé direito, enquanto o joelho esquerdo era apoio para meu caderno. Eu batia a caneta na boca, na cabeça, cama. Nada vinha, nenhuma ideia.

Eu joguei o caderno de lado e coloquei a caneta em cima do criado mudo. Alonguei-me na cama e fitei o teto – quatro segundos – e o reflexo chamou minha atenção. A caneta estava rolando, lenta. Ela chegou à ponta do criado o mudo, finalmente, rolou ao chão. E lá fez o movimento de vai e vem, vai e vem, parou.

Furtivamente meu cérebro começou a trabalhar, o caminho da caneta, a trajetória da minha história. Levantei rapidamente e peguei a caneta. O caderno, os traços, todos corriam… Escrevendo… Escrevendo… Escrevendo… (Um contato no Whattsapp ficaria maluco se esperasse uma mensagem).

Estopim. Parei absorta, “meu Deus, estou escrevendo”…

Autor:

Metamorfose ambulante, ♥

6 comentários em “escrever, o “milagre”.

Comente sua opinião aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s